Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2018

Olhar nos Olhos

Acho bonito o olhar nos olhos
Quando os olhos não se desgrudam
Há algo assim que meio que amarra
Mesmo invisível
Há uma coisa assim que meio que prende
Mesmo incompreensível

Acho bonito o olhar nos olhos
Quando os olhos ignoram todo o resto
Afinal todo o resto é pouco

Acho bonito o olhar nos olhos
Os olhos fechados contemplam o sonho
Os olhos mirando outros olhos
Se transformam no próprio sonho

Acho bonito o olhar nos olhos
Antes do sexo, o beijo
Antes do beijo, o olhar
O olhar nos olhos, portanto
É o primeiro entrar no outro
O olhar nos olhos
É o primeiro gesto de amar.


Sobre Copa do Mundo e Prêmio Nobel

Provavelmente você recebeu um dos memes do momento, que diz: “A seleção do Canadá não conseguiu se classificar para a Copa do Mundo. (Os canadenses) Terão que se contentar com seus vinte e três prêmios Nobel e em ter um dos níveis mais elevados de qualidade de vida. Coitados... Devem estar com inveja de nós, brasileiros!”.

Não é preciso explicar que trata-se de ironia e que a mensagem transmitida é a de que futebol é algo menor quando comparado ao prêmio Nobel e a questões sociais como a qualidade de vida, e que o Brasil está tão focado no esporte que deixa essas outras questões de lado.

Perdão pelo termo, mas trata-se de uma descomunal bobagem.

O argumento (se é que podemos chamar assim) de quem o criou é totalmente oportunista e desonesto.

O Canadá realmente não se classificou para a Copa do Mundo, é verdade. Mas é por não ter tradição nenhuma no futebol. O país participou somente de uma Copa, a de 1986, no México. Jogou três partidas e perdeu as três. Ou seja, desempenho bem disc…

Poema - Quero Voltar

Quero voltar ao útero de minha mãe
Voltar àquela espera do nascer
Porém sem nunca chegar a nascer
Àquele viver sem de fato estar vivendo

Quero voltar ao útero de minha mãe
E lá permanecer todo encolhido em um colo do avesso
E infinito
Ouvir minha mãe cantarolar
Sentir o carinho em sua barriga
E permanecer alheio a toda hostilidade
Protegido pela carne

Quero voltar ao útero de minha mãe
Afinal qualquer mundo é pouco
Quando se deixa o paraíso
Penso agora que
O berro ao nascer não é em vão
É de desespero por saber
Que não podemos desnascer

Mas será que é isso mesmo?
Será que a morte no fim não nos leva de volta
Para o lugar de onde viemos?
Pensa como seria bonito se morrer fosse isso:
Voltar ao útero de sua mãe
Assim a vida faria muito mais sentido

E eu não mais temeria a morte.