Pular para o conteúdo principal

Sobre Copa do Mundo e Prêmio Nobel


Provavelmente você recebeu um dos memes do momento, que diz: “A seleção do Canadá não conseguiu se classificar para a Copa do Mundo. (Os canadenses) Terão que se contentar com seus vinte e três prêmios Nobel e em ter um dos níveis mais elevados de qualidade de vida. Coitados... Devem estar com inveja de nós, brasileiros!”.

Não é preciso explicar que trata-se de ironia e que a mensagem transmitida é a de que futebol é algo menor quando comparado ao prêmio Nobel e a questões sociais como a qualidade de vida, e que o Brasil está tão focado no esporte que deixa essas outras questões de lado.

Perdão pelo termo, mas trata-se de uma descomunal bobagem.

O argumento (se é que podemos chamar assim) de quem o criou é totalmente oportunista e desonesto.

O Canadá realmente não se classificou para a Copa do Mundo, é verdade. Mas é por não ter tradição nenhuma no futebol. O país participou somente de uma Copa, a de 1986, no México. Jogou três partidas e perdeu as três. Ou seja, desempenho bem discreto, para não dizer outra coisa. Portanto, entre vinte e uma edições do torneio (se considerarmos esta que já está em andamento), apenas uma contou com a participação do Canadá. O mesmo insucesso acontece com o Brasil, porém em outro esporte, justamente aquele em que o Canadá é mestre: o hóquei no gelo.

Por aqui respira-se hóquei. Durante o inverno, os lagos vão congelando e passam a receber as “peladas” de hóquei. Assim como qualquer canto no Brasil acaba se transformando em campo de futebol. O Canadá é o segundo maior campeão mundial na categoria masculina (para mantermos o critério de comparação, já que estamos falando da Copa do Mundo masculina), atrás somente da Rússia, que tem um título a mais. Sabe quantas medalhas o Brasil tem no mesmo campeonato? Isso mesmo, nenhuma. Ou seja, para tornar a comparação pretendida pelo criador do meme mais justa, é preciso colocar lado a lado os dois países, porém cada um em sua especialidade. Nesse caso, a situação praticamente se iguala.

A afirmação do meme seria mais ou menos como dizer que o Luis Fernando Verissimo é um grande cronista pois abriu mão de ser dançarino.

Outro indício de que o raciocínio é absolutamente equivocado é pelo fato de que países como Síria, Índia e Filipinas, por exemplo, nunca se classificaram para uma Copa do Mundo sequer. E dizer que esses últimos países também abriram mão de suas participações em prol de algo maior, é negar a realidade.

Amigo criador do meme (e amigos que insistem em enviá-lo), sinto em dizer, mas a ausência do Canadá na Copa do Mundo não é o fator responsável pelos índices positivos citados por você. Assim como a paixão pelo futebol não é o que compromete o Brasil. Pelo contrário, o futebol é uma das poucas coisas das quais os brasileiros ainda podem se orgulhar. Sei disso porque todo mundo aqui no Canadá me escuta com atenção quando o assunto é futebol, especialmente agora, quando falamos sobre a Copa. Minha nacionalidade basta para me tornar especialista em algo que não sou. Pois é assim que eles nos enxergam, especialistas em futebol. Como eles são no hóquei no gelo.

Para nós, o futebol nunca será só um esporte.

O futebol é sonho e oportunidade para o menino que cresce isolado de qualquer luxo, nas periferias das grandes cidades.

O futebol é saúde para os que brilham nos incontáveis campos de várzea nos confins do nosso Brasil.

O futebol é lazer e prazer para quem veste as chuteiras no fim de semana ou para quem se senta no sofá para acompanhar o time do coração. E lazer é qualidade de vida, é item indispensável para o equilíbrio mental.

O futebol é união. Você abraça qualquer desconhecido no estádio para comemorar um gol.

O futebol faz parte da nossa identidade. Está no nosso DNA.

Lembro que, quando pequeno, eu chorava toda vez em que o Corinthians marcava um gol. Hoje a pele ainda arrepia e, em caso de título, não garanto que possa conter as lágrimas. Volto a ser criança. O futebol tem também o poder de retroceder o tempo, portanto.

A Copa do Mundo é a celebração disso tudo!

Se o esporte já foi usado da maneira errada por alguns, é de se lamentar, claro, mas isso não diminui sua importância.

Portanto, aos meus conterrâneos que insistem em espalhar o recado de que a paixão cega pelo futebol prejudica o Brasil, afirmo: os verdadeiros problemas do Brasil são outros. Se a qualidade de vida ainda está muito aquém dos índices canadenses e se ainda não recebemos vinte prêmios Nobel, a culpa não é do futebol. Como o próprio Canadá prova, a paixão por um esporte não compromete o bom funcionamento de um país.

Talvez uma das coisas que atrasam um país seja a criação e o compartilhamento intenso de memes que não dizem nada. Ou essa vontade de acabar com uma das poucas alegrias que ainda restam aos brasileiros, já que o País atravessa um período tenebroso, como sabemos. Isso sim é uma grande perda de tempo. Tempo que poderia ser utilizado para algo mais útil, como o estudo, por exemplo. Assim esses nossos falsos intelectuais, quem sabe um dia, poderiam se tornar verdadeiros pensadores e finalmente vibrar com um prêmio Nobel. Além, claro, de mais uma Copa do Mundo.

Comentários

  1. Perfeito, Felipe! Culpar o futebol pelas mazelas do nosso Brasil me parece uma cômoda solução, pois passa muito longe do que, de fato, nos atrasa! E que o Canadá se cuide, hein? Com o Snowland em Gramado e mais uma pista de gelo em um shopping novo de Canoas, caminhamos aceleradamente para o protagonismo no hóquei. :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…