Pular para o conteúdo principal

Reforma política, Ferreira Gullar e a maconha


Ferreira Gullar é um gênio. Um grande poeta, todos sabem. No entanto, em sua coluna do último domingo, na Folha de S. Paulo, ele afirma uma série de bobagens. Se me permitem, discordarei de algumas delas.

Primeiramente Gullar defende a Reforma Política, em especial o voto em lista. Para ele, o sistema de votação seria mais justo que o atual, já que hoje votamos em Pedro e acabamos elegendo João, se aquele não alcança o determinado número de votos.

O que acontece é que voto em lista é incontáveis vezes pior que o sistema atual, pelo simples fato de que caberia ao partido escolher os candidatos. É óbvio que a renovação na política brasileira ficaria prejudicada. Voltaríamos aos tempos do coronelismo, das antigas oligarquias. Gullar foi ingênuo ao afirmar que, se caso um político dissesse estar "se lixando" para a opinião pública, o seu partido tomaria as devidas providências para que ele não mais disputasse as eleições.

Em uma coisa concordamos: em relação ao terceiro mandato de Lula. O presidente nunca foi enfático ao afirmar que era contra o terceiro mandato, até porque ele tinha Dilma. O problema é que a ministra, hoje, se tornou uma incógnita, devido a doença. Talvez Lula se torne agora candidato dele mesmo. Como disse Gullar, é esperar pra ver.

Por fim, sua coluna condena a presença do ministro Carlos Minc na passeata pela liberação da maconha. Concordo. Mas Gullar é ingênuo de novo, ao condenar tal atitude com a justificativa de que "proibir" é evitar que os jovens adiram em massa a esse vício. Bobagem. Intelectuais afirmam isso como se já não existisse uma oferta farta da substância para os jovens. Fuma quem quer, todos sabem. Ser proibido é só um detalhe e torna tudo mais emocionante.

Assim como na Câmara e no Senado.

Comentários

  1. Carlos Minc não está deliberando contra principios publicos e republicanos. Justamente porque ele percebe a proibição como um malefício à sociedade, está defendendo algo que é de bem comum.

    Sim, pois o CONTROLE do estado sobre as drogas é de importância fundamental à sociedade.

    - Questão de segurança pública, num país cada dia mais inseguro e sem alternativas de combate ao crime organizado.
    - Questão de saúde pública, pois a maconha tem aplicações medicinais diversas. Além disso, os viciados em drogas não podem ser abandonados à própria sorte.
    - Questão de finanças, pois os impostos gerados pela comercialização legal (dezenas de bilhões de R$ por ano) seriam investidos em combate ao crime, saúde, educação,
    - Questão de ecologia, pois as mudanças climáticas pedem soluções menos agressivas ao planeta. Plantar maconha é muito menos agressivo ao solo do que as culturas atualmente em uso, pode ser feito monocultura sem desnutrir o solo e tem inumeras aplicações.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…