Pular para o conteúdo principal

No, we can't


Em 1962 os Beatles já se apresentavam com a formação que ficaria conhecida no mundo inteiro. Foi um começo modesto, construído em pubs de Liverpool, na Inglaterra. Mais tarde, a banda se transformou em uma das histórias de maior sucesso da música mundial e a adoração em torno dos quatro súditos da rainha passou a ser conhecida como Beatlemania.

Em 2008 Barack Obama ainda era candidato à presidência dos Estados Unidos. Mas já arrastava multidão por onde passava, o discurso de "Yes, we can" soava como "Love me Do". O Nelson Mandela moderno parecia saber a solução de todos os problemas, prometia curar os males dos americanos como num passe de mágica. Surgiu então a Obamamania.

Os Beatles se separaram em 1970. Foi um fim precoce mas que só fez aumentar a fama e a mística em torno dos quatro cavaleiros ingleses. Tanto que a Beatlemania resiste até os dias de hoje. Paul McCartney, por exemplo, se apresenta esse mês no Brasil. Ingressos esgotados e o país mobilizado pra ver.

Já o messias do Havaí viu sua máscara cair bem antes do que esperava. A Obamamania durou pouco. O alto índice de desemprego nos Estados Unidos, a economia frágil e as reformas polêmicas, como a da saúde, fizeram os americanos desconfiarem daquele senhor negro de fala mansa e postura professoral. Ontem tivemos a prova disso.

No seu segundo ano de mandato, Obama já passa por uma crise brava. Viu sua popularidade ir pelo ralo. Nas eleições de ontem, perdeu a maioria na Câmara. Agora pode até propor mil ideias para os Estados Unidos sairem da crise, o difícil será conseguir aprová-las.

Ao contrário da Beatle, a Obamamania durou muito menos do que se esperava. Eu sou fã da banda inglesa, vou ver o Paul domingo que vem no Beira-Rio. Sugiro ao Obama que faça o mesmo. Caso resolva subir ao palco não pode se esquecer de mudar a mensagem de "Yes, we can" para "No, we can't". Seria mais honesto.

Comentários

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…