Pular para o conteúdo principal

Gretchen Filme Estrada


Há alguns dias, Gretchen partiu para o auto-exílio, nos Estados Unidos. Levou consigo o décimo quinto marido e o seu antológico bumbum. A notícia passou despercebida por grande parte da mídia, o Brasil não sabe o que está perdendo. O fim da carreira do seu maior símbolo cultural merece apenas uma nota em um jornal qualquer.

A importância de Gretchen para o País é maior que a de João Gilberto, por exemplo. Eu mesmo não tinha consciência disso até assistir ao documentário “Gretchen Filme Estrada”, lançado recentemente pela jornalista gaúcha Eliane Brum e o documentarista Paschoal Samora. O filme faz uma narrativa da campanha de Gretchen à prefeitura de Itamaracá, em Pernambuco, em 2008. A ideia era revelar a transformação da artista em política. Não foi possível. Gretchen perdeu a eleição e continuou rebolando.

A Rainha do Bumbum começou a rebolar em plena Ditadura Militar. E continuou durante o movimento das Diretas-Já, viu o Collor mandar e desmandar no Brasil, assistiu à expansão da internet e lamentou duas ou três guerras. Tudo assim: rebolando. Enquanto o mundo acontecia, Gretchen e seu bumbum rebolavam incansavelmente.

Aos cinqüenta anos, em 2008, ela finalmente se cansou e por isso foi tentar a carreira na política. Queria fazer mais pelo Brasil aposentando seu lado artista. Lutou pelo direito de ser, ao menos uma vez, simplesmente Maria Odete Brito de Miranda. Não deu certo. No filme de Eliane e Paschoal, Gretchen rebolava nos circos pelos confins do Brasil, acreditando que aquelas seriam suas últimas apresentações. Era sempre uma festa. Crianças desdentadas, mendigos e trabalhadores, sem ter nem o que comer, davam o pouco que tinham para assistir Gretchen rebolando. Seu bumbum ainda hipnotiza, trinta anos e muitas plásticas depois.

Gretchen sempre rebolou ao som de Freak Le Boom Boom e Conga, conga, conga. Nunca ninguém quis saber do resto. As duas músicas sempre foram suficientes. Ela é isso: o seu bumbum mexendo ao som de duas músicas. Melhor símbolo do nosso País não há.

Porém, o Brasil nunca parou para ouvir o que Gretchen tinha a dizer. E ela sempre teve o que contar. Afinal, uma mulher que rebola por trinta anos ao som de duas músicas pelos confins do Brasil tem muito o que dizer. Principalmente a respeito do que é o Brasil. Mas quando se fala em Gretchen o máximo que se tem é deboche. Para a maioria, ela não passa de uma caricatura. O Brasil também. Por isso acredito que a importância de Gretchen e o seu bumbum é maior que a de João Gilberto e o seu violão.

Alguém disse que as lembranças de uma vida são as marcas que ela deixa no corpo. As rugas é que podem dizer o quanto alguém viveu. Gretchen, portanto, optou por esconder seu passado com as inúmeras plásticas. O Brasil faz exatamente o mesmo: apaga o que não lhe cai bem e o que não lhe serve.

Agora Gretchen partiu e quase ninguém se deu conta. Trinta anos depois, seu bumbum parou de rebolar e as duas músicas se calaram. No fim, esta é a história de quase todo brasileiro: rebolar a vida inteira ao som de duas músicas e quando se cansa quase ninguém percebe. A história se apaga com borracha. Ou Botox, o que aparecer primeiro.

Comentários

  1. Ótima comparação. E vamo que vamo, rebolando povo brasileiro, devagar e sempre. Renovando o botox de tempos em tempos, mas as rugas e estragos estarão sempre lá...como a política, a figurinha muda, mas quem estiver por trás será sempre o falcatrua de sempre, a ruga de sempre. Isso aí né, "conga la conga meu povo"...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…