Pular para o conteúdo principal

O Brasil sem referência


"Narciso acha feio tudo o que não é espelho", já cantava Caetano Veloso na letra que melhor representa a cidade de São Paulo e o estranhamento que ela causa em quem não é de lá. Muitas vezes, ao invés de achar feio aquilo que não conhecemos, procuramos referências para comparar e igualar com o que dominamos. Assim o estranho se torna mais compreensível. Serve pra tudo.

Quando surge um novo artista, por exemplo, os críticos logo concluem que aquele é o "novo Chico" ou a "reencarnação de Charles Chaplin". Por mais que se tenha um estilo totalmente próprio e inovador, as pessoas sempre vão querer procurar uma referência ou um rótulo para encaixar no que já é de domínio público. É um pensamento limitador, simplista e careta. Mas parece que usufruir de algo que não se domina por completo está além da capacidade das pessoas.

Com o esporte e principalmente com o futebol funciona da mesma maneira. Neymar não é Neymar, e sim o novo Pelé. Messi é o Maradona versão careta. O Barcelona é o Brasil de 82 ou a Laranja Mecânica de 74 e 78. Tudo parece que já foi visto antes. Como a reprise de uma novela antiga ou uma peça de teatro que nunca sai de cartaz.

Pensar assim é ilusão. Sinto em informar aos saudosistas de plantão que tudo que mencionei antes é atual. Faz parte da história que ainda está sendo escrita. Messi tem apenas vinte e quatro anos, Neymar dezenove. O Barcelona está no auge. A única relação com o passado é porque cada jogador ou técnico tem suas referências e influências. Mesmo assim, o foco no futuro nunca se perde. Justamente por isso o Barcelona está muito além de qualquer outro time do mundo. Olha pra frente sem perder as referências que considera importantes.

Quem parou no tempo mesmo foi o Brasil. O jogo de ontem mostrou perfeitamente isso, com o Santos apenas assistindo à aula do time espanhol. O futebol mudou faz tempo, muito antes de Neymar e Messi. Jogadores se tornaram atletas, correndo como loucos em volta da bola. O futebol arte e técnico ficaram sem espaço. O Brasil aceitou calado e se adaptou do jeito que pôde. Perdeu seu encanto. Desistiu de dar espetáculo. Não quer mais os craques. Se contenta com a vitória com cara de derrota.

Dos times atuais, apenas o Barcelona teve a ousadia de tentar criar algo novo. Conseguiu. Dá show, vence, conquista títulos e humilha grande parte dos adversários. Apesar disso, alguns estudiosos da bola insistem em dizer que o que se vê ali é só a repetição do que o Santos de Pelé já fazia. Para eles, não se trata de invenção ou transformação, é cópia mesmo. Mas como, se o futebol mudou tanto de Pelé a Messi? Não faz o menor sentido.

Como definiu perfeitamente o colega e amigo Daniel Espinosa: a história nos ensina que os reis não são eternos, apenas deixam suas marcas na história. E sempre há um herdeiro para a coroa. Neymar é Neymar. Messi é Messi. Pelé é Pelé. Além disso, temos que aceitar de uma vez: nessa história, o Brasil foi quem ficou pra trás. Como aquela seleção de 1950.

Comentários

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…