Pular para o conteúdo principal

O Fantasma de Ricardo Teixeira


A substituição na CBF tem algo de paranormal. De extraordinário.

Ricardo Teixeira decifrou sua arrogância, pediu pra sair e deixou em seu lugar um vácuo com nome de José Maria Marin. O espaço, até segunda ordem, será preenchido por antigos súditos de Teixeira. Seu fantasma permanecerá rondando o centro do poder do futebol brasileiro por muito tempo. Destruiu-se o homem. É necessário agora que se elimine a sombra.

José Maria Marin viu a CBF e o COL despencando juntos em seu colo. Por ser o vice-presidente mais velho, com 79 anos, tomou para si o abacaxi. Confessou que não pretende descascá-lo. No horizonte, nenhum planejamento de mudança. A inconseqüência ainda vai imperar pelas mãos do Zé da Medalha. O apelido Marin recebeu graças ao episódio da premiação da Copa São Paulo de Futebol Júnior deste ano. Câmeras de TV o flagraram embolsando uma medalha, em um gesto que demonstrou bem o seu caráter.

Ricardo Teixeira pode ficar tranqüilo. A CBF está em boas mãos.

Marin, além de pegar o que não é seu, também mostrou que está gagá. O filho do malufismo, durante o discurso de substituição ao poderoso chefão, trocou as bolas. Afirmou que, pelo menos no comitê organizador da Copa, vai participar “junto com outros dois companheiros (...), o fenômeno Romário...”. Até corrigir: “Ronaldo Nazário e Bebeto”. Eis o homem. E ai de quem arriscar dizer que a troca é abuso de poder. Ditadura. Que Marin na CBF é Kadafi tomando banho na piscina de água mineral enquanto o povo líbio morre de sede.

O fantasma de Ricardo Teixeira poderá ser visto também na figura do diretor de patrimônio da Confederação. Guilherme é irmão de Teixeira. Já a filha, Joana Havelange, segue como diretora-executiva do COL. Leonardo Rodrigues, cunhado, é gerente de compras do comitê. Nenhuma surpresa isso vir de quem “cagava de montão” e só se preocupava “com o que saía no Jornal Nacional”.

A derrota de Ricardo Teixeira é o primeiro passo para a vitória do Brasil. A partida está um a zero. Se parar por aí, levaremos o empate e, mais tarde, a virada. Os estados precisam se mexer. Ronaldo não pode servir apenas de marionete ou de homem-propaganda. Pode fazer muito mais.

Caso a troca de seis por meia dúzia se concretize, Marin continuará tomando seu banho, sem pressa, enquanto o futebol brasileiro padece, sedento.

Comentários

  1. Excelente texto...apesar de não ser surpresa que a Aranha rainha desceu , mas deixou a teia GIGANTE bastante habitada por seu exército de animais pessonhentos...

    Abs

    Cláudio Pacheco

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…