Pular para o conteúdo principal

Não toquem na minha dor

Entre jogos e desilusões da Copa do Mundo, esta semana parei para ver um dos filmes mais comentados do momento: A Culpa é das Estrelas. Adaptação de um livro que eu não li e que, pela sinopse, tinha todos os ingredientes para ser um clássico do gênero “água com açúcar”. Porém, amigos interessantes haviam feito críticas interessantes. Então, vamos lá!

O filme surpreendeu a mim e a outros que esperavam que ele fosse somente um passatempo morno. Não. Ele vai muito além disso. E “além” aqui pode significar mais perto do que você imagina: dentro de você mesmo. A história do simpático casal Hazel Grace (Shailene Woodley) e Augustus (vivido por um ótimo Ansel Elgort), comove e machuca. Explora dores e anseios que você nem imaginaria que pudesse sentir. Ainda mais na sala de cinema.

O longa é uma clássica história de amor impossível, entre a mocinha e o mocinho separados por uma doença. Mais que isso não conto, pois espero sinceramente que todos assistam. Meu objetivo ao escrever sobre o filme não é fazer uma análise crítica ou técnica, isso está além da minha capacidade. Quero me apegar em uma das falas de Augustus, uma das melhores do filme, sobre a dor: “esse é o problema da dor, ela precisa ser sentida”. Gus chega a essa conclusão ao ver um dos melhores amigos sofrer uma desilusão amorosa. Um raciocínio simples, porém brilhante, se pensarmos o quão difícil é sofrer hoje em dia. Estamos diariamente sendo educados para não sentir dor. E aqui me refiro à dor emocional, não física.

Se alguém sofre um período de tristeza mais longo, as pessoas próximas já começam a olhar com ar de estranhamento e a diagnosticar: é depressão, deve procurar um psiquiatra. Se o deprimido se rende aos conselhos e vai procurar tratamento, muitas vezes mal tem seus problemas ouvidos e já começa a ter que engolir um comprimido atrás do outro, para curar a dor. Ele para de chorar, sente mais disposição para trabalhar e encontrar os amigos, mas não por ter superado a tristeza, e sim por estar dopado. Vive uma felicidade falsa. Se tiver os medicamentos cortados, tudo volta.

Seria loucura questionar a existência da depressão. Sim, ela existe, deve ser encarada como doença e seriamente tratada por profissionais. O que estou contestando é o diagnóstico generalizado e irresponsável. A tristeza, ao contrário da depressão, não é doença. É parte da vida. É normal encararmos uma fase mais introspectiva, desestimulados com o trabalho, com um relacionamento ou sentirmos vontade de chorar, mesmo que não haja um motivo evidente. E desse sofrimento pode vir um crescimento. Há até quem diga que só amadurecemos na dor. Porém, na sociedade atual, este tipo de sofrimento se tornou o oitavo pecado capital. Quem sofre anda na contramão do que é imposto mundo afora: a felicidade, mesmo que só de aparência, vale muito mais.

Um fator que também contribui para nos sentirmos mal com a tristeza é a proliferação das redes sociais. No Facebook, por exemplo, é como se cada pessoa tivesse a sua vida acompanhada por fãs e seguidores. O publicável ali, portanto, são apenas os momentos felizes: um jantar em um restaurante bom, uma viagem, um encontro com os amigos, uma promoção profissional. Ninguém quer espalhar o sofrimento, demonstrar fraqueza. Se algo não deu certo, fecha a página do Facebook ou publica uma foto com um sorriso falso. Ele valerá mais que uma lágrima verdadeira.

Talvez a dor também seja incômoda, por nos lembrar o quanto frágeis nós somos. Mas pare e pense. Em algumas situações da vida, se torna impossível não ficar triste: perder um ente querido, terminar um relacionamento, ser demitido. O errado aqui é encarar isto como fraqueza e tentar maquiar ou curar o sofrimento com remédio. A dor deve ser sentida e, para aqueles que conseguirem aproveitá-la, virá um amadurecimento sem tamanho.

Escrevendo sobre o tema, lembro de algumas frases que tenho sempre comigo. Paulo Leminski colocou no poema: “um homem com uma dor é muito mais elegante”. Vinicius de Moraes determinou: “o poeta só é grande se sofrer”. A dor não é infelicidade. Eu sofro com o sofrimento de pessoas próximas, com a injustiça do mundo, sofro com minhas frustrações, com a falta de tempo, com os sonhos que não conseguirei realizar, nem por isso deixo de ser feliz. A sabedoria da vida está em reconhecer que há os momentos bons e os maus e tentar fazer que os bons sejam maioria.

A dor é parte da vida, e como Gus resumiu em A Culpa é das Estrelas, o ruim é que deve ser sentida. Assim como a tristeza. Eu só peço isso às pessoas próximas de mim: me ajudem a ser feliz, mas não toquem na minha dor.

Comentários

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…