Pular para o conteúdo principal

Etc.

Tem uma música martelando na minha cabeça. "Estou sozinho, estou triste, etc." Maldito Caetano! Tem o dom de me atar um nó na garganta e de me traduzir sem nunca ter me lido.

Todo mundo tem um dia ruim, uma semana ruim, um ano em que seria melhor não ter brindado sua chegada. Todo mundo sempre tem um encontro marcado com ela. E a tristeza, quando chega, é egoísta, possessiva, não aceita dividir a atenção. Portanto, só é profundamente sentida quando se está sozinho. "Estou sozinho, estou triste, etc." Como faz para baixar o volume?

A tristeza muitas vezes também é abstrata. Não se está triste por algo específico, e sim por um conjunto de fatores ou simplesmente por... nada. Se está triste e pronto. Uma infinidade de sentimentos ou de vazios. Para mim, o "etc" de Caetano pode ser tanta coisa. Representa justamente esse excesso de significados. Colocando o "etc" na música, o poeta abre o horizonte e permite que esse sentimento seja consequência de qualquer coisa. Talvez por isso não só eu, mas o equivalente à torcida do Flamengo inteira, também se identifique com a música.

"Quem virá com a nova brisa que penetra?" Caetano segue me narrando sem pedir licença e saber o que conta. Nessa parte da música, ele questiona se alguém virá para salvá-lo da tristeza. Uma espécie de super-heroi a pousar na janela e resolver todas as questões. Quem virá? Nessa pergunta, eu confesso que colocaria "o que" no lugar de "quem". Afinal, como membro da turma Geração Y, tenho pressa. Não nasci para esperar, ter paciência, contar até dez. No dois eu já desisti! Quando canso de algo - do trabalho, da cidade, da casa - me faço a pergunta: o que virá com a nova brisa? Acho que mesmo sendo a chegada de uma outra pessoa o fato esperado, quase sempre queremos saber o que essa pessoa trará de novo. Ela apenas não quer dizer muita coisa. Só se a solidão for física. No fundo, sabemos que a brisa quase sempre trará no máximo uma folha seca a se arrastar sobre nossos pés.

Enquanto escrevo esse texto estou deitado em meu quarto. Hoje senti mais vontade de ficar aqui do que aparecer para o mundo. Espero a brisa. Por enquanto, tenho a artificial provocada pelo ventilador. O telefone toca. Não atendo. A brisa finalmente chega, leve e rápida, como a querer apagar o ambiente pesado. Leve, mas suficiente para trazer consigo a folha seca, que pousa devagar sobre a cama. A poesia da vida real!

Enxergo nela a mensagem que diz que tudo vai dar certo, porque enquanto uma folha cai, outra nasce no lugar. Imediatamente. Sempre. Infinitamente. Assim acontece comigo e com você. Vamos morrendo e nascendo nesse intervalo entre nascer e morrer que é a vida. Vamos perdendo pedaços para ficarmos completos no fim. As rugas e cicatrizes como prova de que vivemos.

No fim, tudo se encaixa. Enquanto Caetano canta na minha cabeça, tudo vai voltando para o seu devido lugar. Porque é assim que é. E etc.

Comentários

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…