Pular para o conteúdo principal

Estou bem e vivo


Tem uma frase do Domingos de Oliveira que diz assim: “a verdadeira liberdade de um homem não é seguir seus impulsos, é seguir suas escolhas”. Vir para o Canadá não foi um impulso meu, na verdade nem poderia. É algo que precisa ser minimamente planejado e depois, para se colocar em prática, existem algumas obrigações burocráticas – passaporte, visto, etc. Ou seja, foi realmente uma escolha. Podendo seguir essa escolha, penso que exerci minha verdadeira liberdade, como diz Domingos.

Estou muito feliz pela repercussão do meu último texto sobre o impacto inicial na chegada por aqui. Foram tantos compartilhamentos, comentários e, principalmente, trocas de experiências que me emocionaram. Escrever, para mim, sempre foi necessariamente um ato sem pudor. Penso que para alguém se traduzir em palavras é preciso antes se despir. Com o último texto não foi diferente e acho que esse foi o principal motivo por tantas pessoas se identificarem e espalharem o texto por aí.

Li cada um dos comentários. Infelizmente é complicado de responder um a um, mas saber que tantas pessoas se identificaram com o que eu narrei foi incrível. Obrigado por compartilharem suas experiências comigo! Li histórias de quem há muito deixou o Brasil, rumo ao desconhecido, em épocas bem mais difíceis que a minha e disseram sentir exatamente o que exprimi no texto. Recebi também mensagens de pessoas que sonham em viver algo parecido e me agradeceram por mostrar a experiência por outro lado. Enfim, foram muitos comentários positivos e neles é que escolhi focar.

O “morrer” no texto foi usado como uma figura de linguagem para descrever a transformação da minha vida. É bom reforçar. Não estou depressivo, nem em crise, nem infeliz, nem arrependido, nem nada. Pelo contrário. Estou vivo, muito feliz, adorando estar em um país diferente, cada dia aprendendo mais o inglês e sobre a cultura por aqui. Como mencionei no primeiro texto e acho que alguns passaram batido, essa é uma experiência que eu recomendo para todo mundo, apesar do peso que vem junto e te faz “morrer”.

Tem outra frase do mesmo Domingos de Oliveira que diz assim: “o que importa é ter ideais. Nem que seja para perdê-los e sair procurando outros”. Ao vir para o Canadá, deixei alguns dos meus ideais um pouco de lado e vim fazer exatamente isso – procurar por outros. Seguirei dividindo essa nova busca com vocês. Vamos juntos!

Comentários

  1. O "peso" da experiencia é realmente valioso... Moro na Costa Rica desde outubro/2015, vim por trabalho e meu marido e meu filho de 4 anos me acompanham... o mais dificil para mim foi escutar meu pequeno dizer que lhe doia o coração de saudade. Estamos mais acostumados agora e realmente "morrer" é dificil. Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Vivemos muitos lutos durante nossa vida, alguns deles de nós mesmos, como você tão bem descreveu em "Saí do Brasil. E morri". Eu não saí do Brasil, apenas mudei de cidade, mas foi depois do divórcio. A sensação de morte foi a mesma. Perda de identidade. Reconstrução. Processos diferentes, mas de muitas formas parecidos. Foi muito bom ler seu texto. Eu também estou viva. Ainda vou ficar bem. Um abraço! E obrigada!

    ResponderExcluir
  3. Seu texto, comentários sobre experiências de vida e tudo mais que envolve essa viagem, é mesmo algo fascinante de poder se dar ao "luxo" de sentir. É uma pessoa de sorte e também "especial ". Poder sentir tudo isso, constatar todos esses sentimentos e comportamentos e saber colocar tudo e, mais um pouco, no papel de forma tão clara é sensacional!
    Você conseguiu passar para os leitores (pelo menos pra mim) que a vida é isso... esse movimento maravilhoso... como o Mar... as ondas e suas espumas branquinhas... nenhuma igual a outra, nada perfeitamente igual. Como nossos dias, nossas vidas... Um eterno e maravilhoso movimento. Esse movimento de mudanças que não pára e nos faz sentir tantas sensações... É a vida! Um maravilhoso "presente"!
    Você é sensacional!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…