Pular para o conteúdo principal

Barata Ribeiro, 716


Tem aquele filme do Woody Allen em que o protagonista, durante uma viagem a Paris, se lança solitário por passeios noturnos pela cidade-luz e descobre, ao badalar da meia-noite, ser transportado para a década de 1920, época que considera a melhor de todas. Ao embarcar nessa viagem ao passado, ele se encontra com artistas e intelectuais que admira e com os quais já havia tido contato pelos livros e demais obras, já que um encontro pessoal, até então, era impossível devido ao muro do tempo. A viagem é regada a festas com F. Scott Fitzgerald, Ernest Hemingway e Salvador Dali, entre outros.

Gostaria de ser esse personagem de Woody Allen e viver uma experiência parecida. Mas, sem dúvida, meu destino seria outro: Rio de Janeiro, início da década de 1960. Mais precisamente, a Rua Barata Ribeiro, bairro de Copacabana. Número 716. Para ser ainda mais exato: o apartamento de Domingos de Oliveira.

Explico.

Assisti há alguns dias o último filme do diretor carioca, o excelente Barata Ribeiro 716. Nele, Domingos resgata os dias em que viveu no famoso apartamento em Copacabana, no início dos anos 1960. É um filme autobiográfico, portanto. Nessa época, pré-golpe militar, Domingos lotava seu apartamento e emendava festas regadas a muito álcool. No filme, Domingos é Felipe, interpretado por Caio Blat, que está genial no papel. Felipe tenta escrever um livro enquanto vive bêbado, de álcool e de amor, apaixonado pelas belas meninas que frequentam suas noitadas.

No filme, Felipe filosofa. Felipe chora. Felipe sofre de amor. Felipe se apaixona de novo. Pelas mulheres e pelos seus amigos. Felipe vive. Intensamente. De acordo com o que acredita. Por mais que o caminho não lhe pareça plano, ele segue em frente. Pois para ele, faz todo o sentido. O resultado é que você não vê saindo da tela um filme óbvio, tampouco uma história linear. O que você vê saindo da tela é amor. Isso mesmo e simples assim. Amor pela vida. Pela vida e tudo o que ela é capaz de nos oferecer. Amor daqueles que embriagam.


Domingos é um entusiasta da vida e deixa isso explícito em todas as suas obras. Por isso, retratando ele mesmo no auge de sua juventude, seria natural o nascimento de um personagem como Felipe. O mesmo amor que ele sentia nos anos 1960 ele mantém intocado até hoje, caso contrário não seria possível ter feito o filme que ele fez. Ao menos não com a sinceridade com que a história chega até nós. Domingos está no auge dos seus 80 anos e mantém sua juventude intacta, é impressionante e inspirador.

Dividindo com a gente essa passagem de sua história, Domingos nos lembra que as pessoas, mesmo sendo diferentes, sempre têm muito a oferecer e ensinar. Não precisamos pensar da mesma forma para compartilharmos a experiência da vida. O mundo poderia se parecer um pouco mais com o seu apartamento na BR: cheio de pessoas com os mais diferentes gostos, filosofias e formas de vida e que, apesar de não serem iguais, permanecem unidas. Essa é uma lição valiosa em tempos de polarização e individualismo. Dias de “pensou diferente, virou meu inimigo”.

Por isso, se eu pudesse, viajaria no tempo como no filme de Woody Allen. Com um bloquinho na mão, escutaria Domingos (ou Felipe), filosofar sem parar e não perderia uma frase. E daria um recado a ele. Que ficasse tranquilo, pois iria conseguir aquilo que estava buscando naquele momento: viver de sua arte. Contaria que, anos mais tarde, ele mesmo faria um filme narrando aqueles dias e influenciaria outros jovens, de uma época tão distante. E muito mais do que isso, ensinaria a gente a viver melhor.

Depois disso, brindaríamos a vida. E brindaríamos o amor!

P.S.: agradecimento especial à produtora do filme, Renata Paschoal, pois sem ela não teria conseguido assistir ao filme estando tão distante do Brasil. Obrigado, Renata! Um brinde a você, daqui das terras geladas do Canadá!

Comentários

Postar um comentário

Deixe seu comentário

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…