Pular para o conteúdo principal

Há Poucos Dias Era Carnaval

Há poucos dias era Carnaval. E juro que pude ouvir um bloco como se passasse bem aqui na minha rua. A batucada, os risos, a cantoria e até mesmo o calor pareciam estar ali. Fazia calor apesar do frio de quase -30, apesar da paisagem sem cor, apesar do pesar. Corri para a janela e duas senhoras caminhavam na rua de frente, com casacos para o frio de -30 e máscaras de carnaval tampando as faces. Mas não havia bloco nenhum. Não havia batucada. Nem risos. Nem cantoria. Muito menos calor. As duas senhoras e uma coincidência que não poderia só ser. Era Carnaval. E eu juro que prestando atenção era possível de se ouvir a festa. A saudade que me trouxe.

O Carnaval passou. Os blocos passaram. Na minha Timeline vi os peitos desnudos da Maria Casadevall passando. No lugar da roupa, a frase “Ele Não”. Não era só a nudez. Era mais. Eu tinha um tanto pra dizer sobre isso porém me calo. “Homem-branco-hétero” é o que me define e tenho que respeitar que nem todos são meus lugares de fala. Não quero ofender ninguém. E definitivamente sobre os peitos da Maria Casadevall não posso opinar. Mesmo que fosse pra elogiar o gesto provavelmente seria apedrejado. Melhor ficar quieto.

Vi o presidente da República postar um vídeo de Golden Shower no Twitter e resumir o Carnaval àquela cena. Depois acompanhei toda a repercussão e também tinha um tanto pra dizer sobre isso porém outra vez me calo. “Brasileiro que vive no exterior” hoje me define e tenho que respeitar que alguns não gostam que eu tenha minha opinião sobre o Brasil. A mudança, para alguns, se equipara à perda total da nacionalidade. Tampouco posso opinar sobre o Canadá pois dizem que moro aqui há apenas dois anos e sou brasileiro. No máximo posso opinar sobre o Brasil. Melhor permanecer quieto então até que peçam minha opinião. Se é que irão pedir.

Vi dois helicópteros sobrevoando uma favela no Rio de Janeiro e atirando contra inocentes. Um morador fez o registro em vídeo e divulgou por uma rede social. O mundo é uma imensa tragédia. O Brasil neste momento, uma comédia de mau gosto. Mas outra vez me calo. O povo da favela já tem levado tiros demais e a minha fala sobre isso seria só mais uma bala perdida entre tantas outras.

Fechei então as janelas para o caos externo e me voltei para o meu caos interno. Tão mais desimportante apesar de infinito. Mas dessa vez, expondo meu modo, alguns dirão: coitado, tão egocêntrico. Típico de homem, branco, hétero. Típico de brasileiro que vive no exterior.


Comentários

  1. Ainda não fui rotulado como "brasileiro que vive no exterior", talvez, quem sabe, porque também fiz a mesma escolha, me calar perante os acontecimentos que estão bombando a cada semana. Estando fora do Brasil há apenas 4 meses, minha percepção é de que tínhamos que ter opinião pra tudo, pra todos os assuntos, principalmente políticos, e expô-la nas redes sociais da maneira mais eloquente possível. Agora que tenho que me preocupar com minhas mortes e ressurreições (vide "Saí do Brasil. E morri."), não tenho mais como ter opinião sobre tudo. É muito sobrecarregante. Mas acho que é bom, a vida é bem mais leve desse jeito.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe seu comentário

mais vistos

Saí do Brasil. E morri.

Estou morando no Canadá há quase um mês. Minha esposa foi aprovada em uma seleção para fazer seu doutorado na cidade de Calgary, a terceira maior do país, e resolvemos vir assim, de mala e cuia. Calgary é um lugar curioso, é chamada pelos íntimos de cowtown, cidade das vacas em uma tradução literal, termo usado para um lugar com fazendas em seus arredores, com um clima mais interiorano, talvez. Só para se ter ideia, o maior rodeio do mundo acontece aqui, então realmente é um lugar de Cowboys e Cowgirls. Mas pretendo contar mais da cidade e da vida aqui depois. Quero focar agora na experiência de se fazer as malas e sair do seu país, seja ele qual for.

Apesar de ser pouco tempo de experiência, já pude comprovar algumas impressões que tinha sobre a mudança para o exterior. O que acontece quando você faz as malas e embarca no avião com destino a um lugar completamente diferente do seu? Você morre. Isso mesmo, você morre. Eu morri quando vim.

Começa pelo fato de normalmente, nesse tipo d…

O Retrato Rasgado

As fotos de uma vida inteira podem caber no bolso da calça.

Temos pen-drive, celular, cartão de memória, tablet, notebook, computador e mais um zilhão de ferramentas para nos auxiliar nesse arquivo infinito enquanto dure. Infelizmente esse fenômeno da tecnologia colocou fim a um hábito comum a maioria das famílias: se reunir para ver fotos. A lembrança que tenho é de retirar do alto do armário caixas e mais caixas, leva-las até a sala para a visita do dia ou para nós mesmos, e começar a retirar um a um os álbuns que contavam a história da família. A cada mergulho no passado perdia-se horas olhando as imagens e comentando o quanto fulano era magro, siclano era cabeludo e assim por diante. O tempo em casa parava e, devagarinho, ia andando para trás. Hoje raramente dedico um tempo para organizar as minhas fotos e muito menos para revê-las. Tenho uma pasta no meu desktop e vou salvando tudo lá, de tempos em tempos, sempre que preciso esvaziar a memória do celular.

A tecnologia também nos …

O Fantasma de Vinte Anos

Todo dia ele faz tudo sempre igual.

Acorda às seis da manhã, desliga o despertador do celular, aproveita o aparelho nas mãos para olhar as últimas novidades das redes sociais, a previsão do tempo, o e-mail, e só depois de uns dez minutos é que se vira para o lado, dá um beijo na esposa que levanta as oito e ainda está dormindo, e se ergue da cama. Afinal, não tem escolha.

Vai até o closet, separa cueca, meia, calça e camisa e deixa cada peça, uma sobre a outra, lhe esperando. Entra no banheiro. Primeiro liga o chuveiro e só depois tira o pijama, dá o tempo certo de a água esquentar. No banho, sempre a mesma sequência. Primeiro o cabelo – o pouco que lhe restou já está grisalho, muito diferente da cabeleira farta dos seus vinte anos – sempre pensa nisso enquanto esfrega os poucos fios com as pontas dos dedos. Por último os pés. Desliga o chuveiro e sai. Seca o corpo começando pela cabeça, que já está no escritório. Será que responderam aquele e-mail? Será que fulano finalizou a planil…